Comente

Histórias de swing #1 (Por Nina G)

Atravessei sozinha o corredor escuro que dava para os quartos e cabines onde toda a ação acontece.

Fiquei encostada numa parede por exatos dez segundos. Ele apareceu e falou uma bobagem qualquer que aludia à cena que tinha presenciado uma meia hora antes: eu, totalmente nua, me entretendo com um casal no meio da galera, no quarto comum.

– Vem sempre aqui?

– Não, minha primeira vez num clube de swing…

– Uau, que bela estreia!

Ri. Respondi outra bobagem qualquer e me deixei conduzir para uma cabine privada.

– Desculpe, sou tímido demais para o quarto…

Entramos.

(Não me lembro se deixamos a janelinha aberta.)

Ele me virou contra a parede e levantou meu vestido.

Beijou meu pescoço.

Enfiou um dedo dentro da minha calcinha.

Sussurrou no meu ouvido:

– Não quero parecer mal educado: qual o seu nome?

Virei de frente pra ele:

– Foda-se o meu nome – e introduzi minha língua na sua boca e minha mão na sua cueca.

Nos despedimos dez minutos depois.

Celulares são proibidos lá dentro mas ele decorou o meu número.

Me acordou na manhã seguinte com uma mensagem.

Contrariando todas as expectativas, nos tornamos amigos.

 

04/07/2017

Nina G

Nina tem 40 e poucos anos e é separada. Atualmente dedica boa parte do seu tempo a se divertir, acumular novas experiências e escrever sobre isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

* Você pode usar tags e atributos do HTML.

O E-mail é opcional.